Material – Oficina Marta Ferreira

Material produzido pelos participantes da oficina de Produção de Texto para Web com a jornalisma Marta Ferreira

Oficinas com profissionais da área têm vagas esgotadas

Brenda Cirino e Mariana Cintra*

O Grupo de Pesquisa de Ciberjornalismo da UFMS (Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul) realiza o seminário que começou nessa
terça-feira (16), no auditório do CCHS (Centro de Ciências Humanas e
Sociais). Foi montada uma estrutura para recepção e andamento do
evento com a colaboração de acadêmicos.  Segundo a Comissão
Organizadora, cinco oficinas foram realizadas e tiveram as 75 vagas
preenchidas.

A estudante Izabela Sanchez considerou a oficina “Como escrever para
web”, com a jornalista Marta Ferreira, do jornal on-line Campo Grande
News, “muito construtiva”. Ela comentou que não está acostumada a
escrever para esse veículo.

Foram realizadas ainda oficinas “Uso de ferramentas sociais para o
Jornalismo”, com Thiago Akira ;  Vídeo on-line,  planejamento e
realização de cobertura em tempo real, com  Aluísio Cavalcante e Nacho
Durán; O diferencial é o conteúdo,  com Leonardo Carlucci;  e A
construção coletiva da notícia, ministrada por Letícia Cardoso

O coordenador do Ciberjor, Gerson Martins, afirmou que o maior desafio
de promover um evento de proporção interinstitucional é manter a
organização e lidar com pequenos imprevistos de logística.

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”

Entender o que eles escrevem para trabalhar em conjunto com mais facilidade.

Rogério Paes Barbosa*

O 3º Seminário de Ciberjornalismo tem vários alunos de Publicidade e
Propaganda, que vieram em busca de ver as novas tendências de escrita
para web 2.0. O objetivo é usar das mesmas ferramentas para montar
suas peças e trabalhos, mostrando que publicitários e jornalistas
andam mais juntos a cada dia.

A força e o aumento dos gastos com publicidade na internet nos últimos
anos têm mostrado que as novas mídias são uma ótima maneira de
trabalhar publicidade e aumentar a divulgação de produtos.

As várias ferramentas grátis têm se mostrado uma ótima opção para quem
procura publicidade rápida, de longo alcance e de baixo custo.
Aprender como usá-las e como escrever para elas é essencial, afinal,
sem qualidade de escrita ninguém visita o veículo, e sem visitas, de
nada adianta a publicidade. Por isso a necessidade extrema de aprender
a escrever com boa qualidade e usar as novas ferramentas.

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”


Abertura do Seminário atraiu 120 participantes à palestra de Angel Bravo

Eva Cruz*
Michel Lorãn Ribeiro

O 3º Seminário de Ciberjornalismo teve início na noite desta
terça-feira, 16. Cerca de 120 pessoas, entre docentes , acadêmicos e
profissionais participaram do evento, no Auditório do CCHS (Centro de
Ciências Humanas e Sociais), na UFMS (Universidade Federal de Mato
Grosso do Sul).
A abertura contou com a palestra de Angel Bravo, doutorando pela UAB
(Universidade Autônoma de Barcelona), com o tema  “Controle de
Qualidade no Ciberjornalismo”. Ele ressaltou alguns pontos básicos
para que a avaliação do jornalismo na internet seja positiva, como: o
valor do veículo quanto à qualidade da organização, a participação na
formação da opinião pública e o alcance de suas informações.
Além dos professores da UFMS, estavam presentes professores das
universidades federais do Maranhão, Mato Grosso, Paraná, da UCDB
(Universidade Católica Dom Bosco) e da UAB.
O evento, que também foi transmitido via internet,  foi classificado
como internacional pelo professor doutor Gerson Martins, coordenador
do curso de jornalismo da UFMS, pois conta com a participação de
pesquisadores internacionais de ciberjornalismo.
O seminário se estende até o dia 18 de agosto. Para mais informações,
acesse o site do evento, www.ciberjor.ufms.br  e siga o twitter
@ciberjornalismo

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”

Acadêmicos do MT apresentam proposta de mídia social

Márcia Meggiolaro e Glória Gonçalves*

Acadêmicos do oitavo semestre de Jornalismo da UNEMAT (Universidade
Estadual de Mato Grosso), de Alto Araguaia, Konrad Felipe Hencke e
Luis Carlos Neto, apresentarão na nesta quinta-feira (18), às 14h um
produto para a internet com o tema “Mídia Social: uma proposta
comunicacional para a UNEMAT”. “Este é um momento da gente expor e ser
exposto, assimilando a contribuição de outras pessoas”, explica Luis
Carlos Neto, para quem a interação proposta por este seminário permite
coletar informações para aprimorar o trabalho da dupla.

De olho nesse novo mercado de redes sociais, os acadêmicos testam seus
conhecimentos e produzem um protótipo, já com o domínio provisório
www.unematy.com.br. “Falta agora o desenvolvimento do produto, na
parte de programação. Para isto, fizemos uma parceria com acadêmicos
do curso de Ciência da Computação da UNEMAT,” expõe Konrad Felipe.

O conteúdo que vai alimentar essa mídia social será gerado pelos
próprios usuários, dentro da teoria todos-todos de Pierre Levy,
pesquisador em cibercultura do final dos anos 90. Diferente dos outros
meios (televisão, jornal, rádio), em que um emissor comunica para
muitos (um-todos), na mídia social todos escrevem para todos, gerando
uma retro-alimentação sobre temas ligados à instituição.

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”

Seminário tem apresentação de 12 trabalhos de pesquisa

Juliana Barros e Juliane Garcez *

O 3º Seminário Ciberjornalismo terá 12 trabalhos de pesquisas
científicas apresentados por pesquisadores, professores, profissionais
e alunos de Jornalismo. As apresentações ocorrem entre os dias 16 e 18
de agosto, no auditório do CCHS (Centro de Ciências Humanas e
Sociais), na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Os temas dos trabalhos aprovados são variados. Entre os temas tratados
estão: “Ferramentas digitais e utilização de redes sociais na
comunicação interna em universidade pública: o caso UEMS”; “Novas
mídias e empregabilidade na comunicação social; As redes sociais e as
novas faces da sociabilidade contemporânea”; “Redes Sociais e
Cibercultura: análise do Twitter como ferramenta de comunicação”; Os
critérios de noticiabilidade no jornalismo on-line, entre muitos
outros

Os trabalhos estão voltados para a produção jornalística na internet,
desenvolvendo pesquisas para o avanço na qualidade da informação
veiculada nesse meio, que hoje é o mais acessado pelo público.

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”

Seminário consolida o trabalho do grupo de pesquisa de Ciberjornalismo da UFMS

Carla Scarpellini*
Izabela Sanchez

Nos dias 16, 17 e 18 de agosto, o campus da UFMS (Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul) de Campo Grande, sedia o 3º Seminário de
Ciberjornalismo, que tem como tema “O jornalismo em tempos de redes
sociais”. O evento é produto do trabalho do grupo de pesquisa de
Ciberjornalismo da universidade, coordenado pelo jornalista e
professor doutor Gerson Martins.

“O 1º seminário foi apenas a inauguração do grupo de pesquisa, no 2º
tornou-se um evento ciêntífico e no 3º º ocorre a consolidação do
trabalho do grupo”, avalia o coordenador.

Este ano o seminário conta com participantes de outras universidades
do país e da UAB – Universidade Autônoma de Barcelona, da Espanha, que
possui convênio com a UFMS.

Os inscritos participam de oficinas e assistem a palestras ministradas
por profissionais da área de ciberjornalismo e produção de conteúdo
informativo para web.
A vídeo-conferência do jornalista espanhol Mario Táscon, um dos
fundadores do diário espanhol El Mundo, terá início às 18:00 horas no
auditório do CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais) e encerra as
atividades.

*Texto produzido como parte da oficina “Como escrever para web”

 

 

Jornalista repassa 15 anos de conhecimento em oficina interativa sobre como escrever na web

Aliny Mary Dias

Jesse Starita

O 3º Seminário de Ciberjornalismo, realizado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), contou com uma oficina ministrada pela jornalista Marta Ferreira. Com 15 anos de formação pela UFMS em jornalismo, a profissional deu dicas sobre o ritmo diário da profissão em um jornal on-line de Campo Grande.

Com a experiência de 11 anos em um dos maiores sites da cidade, o Campo Grande News, a profissional foi responsável por expor o dia-a-dia e as técnicas da profissão para cerca de 15 estudantes de comunicação, na palestra intitulada “Como escrever para a web”.

A rotina da jornalista começa às 8h e termina às 18h. No período da manhã Marta dedica a maior parte do tempo á leitura do Diário Oficial do Estado, do Município e da Justiça. Após coletar as informações que julga relevantes ela reescreve e transforma os assuntos em notícias.

Marta fala com clareza sobre as dificuldades enfrentadas na profissão. “As notícias mudam e cada fato é um desafio”, diz a jornalista. A dependência e a demora do poder público na contribuição para a produção das notícias também é um fato que incomoda a jornalista.

A grande quantidade de conteúdo disponível para ser transformado em notícia, agregada ao pequeno número de profissionais e à pressão do tempo, resulta em outro incômodo para Marta. “Temos muito para publicar e poucas pessoas para escrever na redação”, conta.

A contribuição das redes sociais para a construção da notícia é algo novo e em ascensão no mercado jornalístico. Marta diz que o Facebook e o Twitter são ferramentas utilizadas no dia-a-dia. “Na redação do Campo Grande News temos uma pessoa exclusiva para trabalhar com as redes sociais”, diz.

Para os estudantes que ainda estão na sala de aula aprender com uma jornalista experiente contribui para uma visão ampla do futuro no mercado de trabalho.

Abertura do 3º Ciberjor teve palestrante da Espanha

O Terceiro Seminário de Ciberjornalismo com o tema “O jornalismo em
tempo de redes sociais”, realizado entre os dias 16 e 18 de agosto na
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), teve a presença de
profissionais de renome internacional. Na conferência de abertura o
professor Dr. Angel Rodriguez Bravo da UAB Barcelona relatou sobre o
“controle de qualidade no ciberjornalismo” e propôs maneiras de
melhorar o conteúdo jornalístico para web.
Angel iniciou sua palestra com as inquietações: “como deve ser o
jornalismo de qualidade, como entender essa qualidade e quais
critérios usados para criar a informação?”. Citou ainda que é grande o
fluxo de textos que circulam na web e que o excesso atrapalha o
usuário na escolha da informação correta. “A dificuldade do
ciberjornalismo está na mistura de hipertextos feitos por amadores e
profissionais. Qualquer pessoa pode postar material na rede, mas isso
compromete a qualidade”.
O professor propôs aos pesquisadores da área que busquem uma maneira
de criar ferramentas que permita aos usuários avaliar o conteúdo
jornalístico. E a partir das observações, os profissionais saberem
onde precisam melhorar. “Depois o resultado poderia ser disposto na
rede para que todos tenham acesso”, explica Angel.
Entre os convidados estiveram presentes Adriana do Amaral da
Unissinos, Estevão Rizzo, Fernando Firmino UEPB, Luciana Mielniczuk da
UFRS, Marta Ferreira, Norminanda Montoya da UAB Barcelona, Tiago Akira
e estudantes de jornalismo.
Konrad Felipe Hencke
Luiz Carlos Neto

 

Author: lucasreino

Share This Post On