19 de agosto de 2017

Sobre

A partir deste evento o Ciberjor reuniu pesquisadores das principais IES de Campo Grande (MS), como Universidade Católica Dom Bosco – UCDB, Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – Uniderp/Anhanguera e Faculdade Estácio de Sá.

O Ciberjor, em suas atividades, adotou a mesma metodologia de trabalho do GJOL/UFBA, com reuniões mensais para discutir temas programados na agenda, sejam resultadas dos projetos de pesquisa, revisões bibliográficas efetuadas por um dos membros do Grupo. Além dessas atividades, o Ciberjor realizou, em 2010, o 2° Seminário de Ciberjornalismo com o apoio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (FUNDECT), do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul. Esta 2ª iniciativa teve ainda a presença, como conferencista, do jornalista, professor e pesquisador em Jornalismo Online da Universidade do Texas – EUA, Rosental Calmon Alves e também do professor da UFSC e coordenador do Laboratório de Pesquisa Aplicada em Jornalismo Digital, Elias Machado.

Nesse evento, a programação foi desenvolvida na metodologia de eventos científicos com apresentação de Grupos de Trabalho e discussão de pesquisas focadas na “Convergência das redações na era de internet”, inicialmente em Graduação e Pós-Graduação. No final de 2010, com a transferência de membros do Ciberjor para outras instituições do país, o trabalho ganhou contornos interinstitucionais, além de Mato Grosso do Sul, com a participação de pesquisadores da UFMA e da UFMT. Para garantir a efetiva participação de todos desses membros, o Ciberjor-UFMS promoveu reuniões mensais, presenciais e por meio de videoconferência.

De 16 a 18 de agosto de 2011 foi realizado o 3° Seminário de Ciberjornalismo, que debateu os reflexos das novas mídias sobre a atividade jornalística, visando a modificação da relação dos navegantes da Internet com as redes sociais. A programação contou com palestras de Luciana Mielniczuk (UFRGS), Raquel Recuero (UCPEL), Fernando Firmino (UEPB), e Adriana Amaral (Unisinos). Pesquisadores internacionais também tiveram presentes, os espanhóis Angel Rodriguez Bravo e Norminanda Montoya, ambos professores e pesquisadores da Universidade Autónoma de Barcelona. O encerramento contou com uma videoconferência com o jornalista espanhol, especialista em internet, Mário Tascon.

De 28 a 30 de agosto de 2013 o CIBERJOR-UFMS realizou o 4º Simpósio de Ciberjornalismo, com sete Grupos de Trabalho, as conferências e mesas de debates no período da noite reuniu um público estimado em 280 pessoas com palestras de pesquisadores de referência do Brasil e da Espanha. Importante ressalvar ainda que, durante o 4º Simpósio de Ciberjornalismo, foi realizado o 1º Seminário Intergrupos de Pesquisa em Ciberjornalismo onde se reuniram pesquisadores-líderes de Grupos de Pesquisa da UFBA, UFSC, UFMS, UFOP, UFT, UnB, UFRGS, UFPE e ESPM.

Em 2014, de 27 a 29 de agosto o CIBERJOR/UFMS realizou o 5º Simpósio Internacional de Ciberjornalismo em que reuniu pesquisadores do Brasil, Portugal e do Chile para debater o tema central do evento Big Data, Interfaces e Sociedade Digital. O Simpósio recebeu mais de 70 trabalhos inscritos de pesquisadores de todo país. Conforme programação publicada na página do evento na internet, no endereço www.ciberjor.ufms.br/ciberjor5, o 5º Simpósio Internacional de Ciberjornalismo teve a participação de vários pesquisadores de referência nacional e internacional, tais como o professor e pesquisador da Universidade da Beira Interior, Portugal, João Canavilhas, uma das principais referências no estudo do ciberjornalismo em todo mundo, autor da proposta inovadora para a narrativa em cibermeios da “pirâmide deitada”; ainda a professora e pesquisadora da Universidade de Santiago do Chile, Claudia Mellado e os pesquisadores brasileiros, também de referência nos estudos do ciberjornalismo Eduardo Pellanda (PUC-RS), Walter Teixeira Lima (Universidade Metodista de São Paulo – Umesp), Denis Porto Renó (Unesp-Bauru), Thaïs Mendonça Jorge (UnB), Rogério Christofoletti (UFSC), Josenildo Guerra (UFS), Victor Gentilli (UFES), Fernando Paulino (UnB), Danilo Rothberg (Unesp-Bauru) e Edgar Rebouças (UFES). Importante destacar a realização do 2º Seminário Intergrupos de Pesquisa, na programação do 5º Simpósio Internacional de Ciberjornalismo, evento que tem como objetivo promover a integração de pesquisadores líderes e proporcionar oportunidades de projetos inovadores conjuntos entre os grupos de pesquisa no Brasil. Em 2014, o 2º Seminário Intergrupos de Pesquisa teve como objetivo reunir pesquisadores que trabalham com projetos sobre Crítica de Mídia e coordenam grupos de pesquisa, laboratórios que têm como foco o chamado “media cristicism”. Entre os destaques do 5º Simpósio Internacional de Ciberjornalismo é preciso citar a proposta do pesquisador de Portugal, João Canavilhas para a criação da Rede Internacional de Pesquisadores em Ciberjornalismo que reunirá, inicialmente, os coordenadores dos principais eventos de ciberjornalismo em todo mundo, ou seja, o Simpósio de Jornalismo Online dos Estados Unidos, na Universidade do Texas, coordenador pelo professor Rosental Calmon Alves; o Congresso Internacional de Ciberjornalismo de Portugal, na Universidade do Porto, coordenado pelo professor Fernando Zamith; o Congresso Internacional de Ciberjornalismo e Web 2.0 da Espanha, na Universidade do País Vasco, coordenado pelo professor Koldo Meso; o Fórum de Ciberjornalismo na Argentina, na Universidade Nacional de Rosário, coordenado pelo professor Fernando Irigaray; o Congresso de Jornalismo em Dispositivos Móveis de Portugal, na Universidade da Beira Interior, coordenado pelo professor João Canavilhas e o Simpósio Internacional de Ciberjornalismo do Brasil, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, coordenado pelo professor Gerson Luiz Martins.

Em 2015, o Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo realizou o 6o Congresso Internacional de Ciberjornalismo, entre os dias 1 e 3 de junho, que teve a participação do jornalista, pesquisador e professor da Universidade do Texas (EUA), Rosental Calmon Alves que fez conferência sobre o tema geral do evento “Performance em Ciberjornalismo: tecnologia, inovação e eficiência” com a participação dos pesquisadores brasileiros, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Juliano Carvalho e da Universidade Metodistas de São Paulo (Umesp), Walter Teixeira Lima Junior; a participação do professor e pesquisador da Universidade do Porto (Portugal), Fernando Zamith e do professor e pesquisador da Universidade Nacional de Rosário (Argentina), Fernando Irigaray em conferência sobre a situação do “Ciberjornalismo na Argentina, no Brasil e em Portugal”, com a participação da professora e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Raquel Longhi; e ainda a participação do professor e pesquisador da Universidade da Beira Interior (Portugal), João Canavilhas que fez conferência sobre “Cibercultura, Cultura Profissional e Ciberjornalismo” com a participação dos pesquisadores brasileiros, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Alex Primo, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Marcelo Träsel. A programação completa do 6o Simpósio Internacional de Ciberjornalismo pode ser acessada na página de internet do evento, no endereço www.ciberjor.ufms.br/ciberjor6. Neste Simpósio é importante destacar a realização da 2a Reunião da Rede Internacional de Pesquisadores em Ciberjornalismo, que teve a participação dos pesquisadores Dr. Fernando Zamith – Universidade do Porto, Portugal; Dr. Rosental Calmon Alves – Universidade do Texas, EUA; Dr. Koldo Meso – Universidade do País Vasco, Espanha; Dr. João Canavilhas – Universidade da Beira Interior, Portugal; Dr. Gerson Luiz Martins – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Brasil e Dr. Fernando Irigaray – Universidade Nacional de Rosário, Argentina. Neste encontro foram definidos a identidade visual da Rede, a denominação oficial de “Rede Internacional de Investigadores em Ciberjornalismo – RIIC”, assim como os Estatutos de organização, além das possibilidades de elaboração e desenvolvimento de projetos de pesquisa integrados. Ainda na programação do 6o Simpósio Internacional de Ciberjornalismo foi realizado o 3o Seminário Inter-Redes de Pesquisa com a participação dos pesquisadores associados a Rede Nacional de Pesquisa Aplicada em Jornalismo e Tecnologias Digitais – JORTEC, coordenada pelo professor Dr. Marcelo Träsel (PUC-RS) e com a participação dos pesquisadores Dr. Walter Teixeira Lima – Umesp, Dra. Raquel Longhi – UFSC, Dr. Rodrigo Botelho – UFPR, Dra. Rita Paulino – UFSC e Dr. Gerson Luiz Martins – UFMS. O objetivo deste 3o Seminário com a participação dos membros da Rede JorTec foi estabelecer integração dos diversos grupos de pesquisa em jornalismo e tecnologia, assim como promover a realização de projetos de pesquisa conjunto e produção de literatura sobre o foco, objeto de estudos dos pesquisadores. Da mesma forma que os eventos anteriores, o 6o Simpósio Internacional e Ciberjornalismo ainda teve a realização de Oficinas e a apresentação de resultados de pesquisa realizados nos dois dias de Grupos de Trabalho. Foram 55 trabalhos selecionados de um total de 98 inscritos. A publicação com os Anais dos trabalhos apresentados está disponível em http://www.ciberjor.ufms.br/ciberjor6/anais-6o-simposio-internacional-de- ciberjornalismo/.

Em 2016 o Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo, por um momento, havia decidido não realizar o 7o Congresso. As dificuldades financeiras pareciam barreiras intransponíveis. Num primeiro momento, o Grupo não conseguiu encaminhar o projeto do 7o Ciberjor para a Fundect – Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul, pois o Edital para eventos permaneceu aberto por 30 dias e válido para eventos de todo ano de 2016. Anteriormente havia dois editais por ano, um para o primeiro semestre e outro para o segundo com prazo de 90 dias para o envio. As perspectivas econômicas do país também apontavam para dificuldades em se conseguir apoio para eventos. No entanto, o Ciberjor recebeu dezenas de mensagens em que os pesquisadores da área perguntavam sobre a realização do Congresso em 2016. Comentavam que o evento estava consolidado e na agenda de atividades dos pesquisadores a cada ano. E ainda, que o Grupo de Pesquisa não poderia deixar de organizar o Congresso para não perder a continuidade de realização. Desta forma, os membros do Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo resolveram, mesmo com as dificuldades que ser apresentavam, organizar o 7o Congresso Internacional de Ciberjornalismo sob nova nomenclatura – “congresso”, dado o crescimento do evento e sua consolidação como ponto de encontro e debate dos pesquisadores do Brasil e de outros países sobre um tema muito importante, ou seja, jornalismo na internet, o papel, o futuro do jornalismo. A partir disso o Grupo enviou o projeto do Congresso para o CNPq, Capes e Governo do Estado de Mato Grosso do Sul. No primeiro caso, o CNPq deu parecer que o evento tinha mérito, mas havia restrição orçamentária e, portanto, seriam priorizados projetos de eventos mais antigos, não sendo possível apoiar o 7o Congresso Internacional de Ciberjornalismo. O apoio conseguido finalmente foi da Capes e do Governo do Estado que fornece, exclusivamente, material gráfico. O apoio recebido, apenas da Capes, obrigou o Grupo de Pesquisa a reduzir o tamanho do evento. Foi cancelado o Seminário Inter-grupos de Pesquisa e reduzido o número de convidados para se adequar à verba liberada. O 7o Congresso Internacional de Ciberjornalismo teve como tema “Ciberjornalismo e modelos de produção: da appificação ao desafio glocal” e como convidados o professor da Rutgers University, John Pavlik, autor de vários livros sobre jornalismo e novas mídias, em especial um clássico sobre o tema “O jornalismo e os novos meios de comunicação”, ainda sem tradução em português; o professor e pesquisador da PUC-RS, Eduardo Pellanda com pós-doutoramento no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT); o professor da UFPE, Rodrigo Cunha, especialistas em design de jornalismo na internet; e, como forma de atender a uma sugestão do professor e pesquisador da Universidade do Texas que organiza, anualmente, o principal congresso de ciberjornalismo nos Estados Unidos, o brasileiro Rosental Calmon Alves, foram convidados jornalistas brasileiros de referência nacional que possuem larga experiência em jornalismo na internet, para que o congresso também possa atender uma demanda mais profissional e não exclusivamente acadêmica, o jornalista, professor e pesquisador Caio Tulio Costa, fundador do UOL (www.uol.com.br) e por vários anos em atividade na Folha de S.Paulo e ainda o jornalista Leão Serva da Folha de S.Paulo, também profissional dedicado ao jornalismo na internet. Além destes, participaram os pesquisadores da Universidade do País Basco (UPV), Espanha, Irati Agirreazkuenaga e Gorka Oureta, como parte de um projeto de integração de pesquisa entre o Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo da UFMS e o Grupo de Pesquisa da UPV, coordenado pelo professor e pesquisador Koldo Meso. As atividades, Anais, programa do 7o Congresso Internacional de Ciberjornalismo podem ser acessados na internet, no endereço www.ciberjor.ufms.br/ciberjor7.

Com a consolidação do evento, em 2015, os membros do Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo fizeram a alteração da característica do evento e, a partir de 2016, o Simpósio teve a denominação “Congresso Internacional de Ciberjornalismo”, como evento de referência internacional associado à Rede Internacional de Investigadores em Ciberjornalismo – RIIC e com atividades integradas aos demais eventos do campo, como o Simpósio Internacional de Jornalismo Online da Universidade do Texas (EUA), Congresso Internacional de Ciberjornalismo da Universidade do Porto (Portugal), Congresso Internacional de Ciberjornalismo e Web 2.0 da Universidade do País Basco (Espanha), do Fórum Internacional de Jornalismo Digital da Universidade Nacional de Rosário (Argentina) e do Congresso Internacional de Jornalismo e Dispositivos Móveis da Universidade da Beira Interior (Portugal).